Ensaio IMMULITE 2000/2000 XPi TSI

A doença de Graves (DG) é um distúrbio autoimune causado pela presença de imunoglobulinas estimuladoras da tireoide (TSI) que se ligam ao receptor de TSH nas células da tireoide e estimulam a produção descontrolada de hormônios tireoidianos. Detectar a presença de TSI no sangue é uma poderosa ferramenta para o diagnóstico diferencial de DG.

Infográfico TSI

As medidas de TSI também são usadas para monitorar a resposta ao tratamento da DG, predizer a remissão ou recidiva da doença, confirmar a oftalmopatia de Graves e também para predizer o hipertireoidismo neonatal.1,2 Foi demonstrado que a incorporação do ensaio TSI nos algoritmos de diagnóstico existentes reduz os custos diretos globais do diagnóstico da doença em até 43%, com o custo líquido evitando erros de diagnóstico reduzido em até 85%³.

O ensaio IMMULITE® XPi TSI 2000/2000 é o primeiro ensaio TSI automatizado e quantitativo disponível hoje. Os ensaios de anticorpos do receptor de TSH (TRAb) detectam os anticorpos bloqueadores e estimuladores da tireoide. No entanto, os anticorpos bloqueadores inibem a estimulação do TSH das células da tireoide e leva ao hipotireoidismo. O ensaio IMMULITE 2000/2000 XPi TSI detecta anticorpos estimulantes da tiroide, a causa específica da patologia da Doença de Graves, com uma sensibilidade e especificidade clínica de 98,3% e 99,7%, respectivamente. Com um tempo de resposta total de 65 minutos e reagentes estáveis prontos para uso, o uso deste ensaio pode tornar o diagnóstico diferencial da Doença de Greves mais rápido e fácil, permitindo que os pacientes sejam diagnosticados e tratados mais cedo.

Fale Conosco

Assay Specifications

Sample Type

Serum, Plasma (Li Heparin, EDTA)

Sample Volume

50 µL

Assay Range

0.10 – 40 IU/L

Limit of Quantitation

0.10 IU/L

Calibration Interval

4 weeks

Onboard Stability

90 days

Time to First Result

65 minutes

Clinical Sensitivity

98.3%

Clinical Specificity

99.7%

Entendendo a Doença de Graves

A doença de Graves é um distúrbio autoimune que leva à hiperatividade da glândula tireoide - hipertireoidismo. É causada por uma resposta anormal do sistema imunológico que faz com que a glândula tireoide produza muito hormônio tireoidiano. A glândula tireoide é um órgão em forma de borboleta que está localizada contra a traqueia na garganta. Ela produz os hormônios tiroxina (T4) e triiodotironina (T3) e desempenha um papel importante no controle do metabolismo do corpo4.

Quais são os sintomas da doença de Graves?5
Pessoas com Doença de Graves podem ter sintomas comuns de hipertireoidismo, como:

  • nervosismo ou irritabilidade
  • fadiga ou fraqueza muscular
  • intolerância ao calor
  • dificuldade para dormir
  • tremores nas mãos
  • pulsação rápida e irregular
  • evacuações freqüentes ou diarréia
  • perda de peso
  • bócio, que é uma tireóide aumentada que pode causar inchaço no pescoço e pode interferir com a respiração e deglutição normais

Além disso, os olhos das pessoas com Doença de Graves podem aparecer aumentados porque suas pálpebras estão retraídas - parecem puxadas para dentro das órbitas oculares. Essa condição é chamada de oftalmopatia de Graves.5

Quem possui mais chances de desenvolver a doença de Graves?

A doença de Graves geralmente ocorre em pessoas com menos de 40 anos e é sete a oito vezes mais comum em mulheres do que em homens.5 As mulheres são mais afetadas entre 30 e 60 anos.5 De acordo com o Centro Nacional de Informações sobre Saúde da Mulher, a Doença de Graves afeta cerca de 2% das mulheres em algum momento de suas vidas.

Fatores como idade, sexo, hereditariedade e estresse emocional e ambiental provavelmente estão envolvidos na doença de Graves, a chance de uma pessoa de desenvolver a doença de Graves aumenta se outros membros da família tiverem a doença. Os pesquisadores não conseguiram encontrar um gene específico que faça com que a doença seja transmitida de pai para filho. Embora os cientistas saibam que algumas pessoas herdam um sistema imunológico que pode produzir anticorpos contra células saudáveis, é difícil prever quem será afetado.

Testando em laboratório

O exame laboratorial é essencial para verificar o diagnóstico, ajudar a estimar a gravidade, o monitoramento e a assistência no planejamento da terapia para pacientes com doença de Graves.

Para detectar disfunção tireoidiana, o teste pode começar com:

  • TSH - tipicamente baixo na doença de Graves
  • T4 total ou livre - geralmente elevado
  • T3 total ou livre - muitas vezes elevado

Os testes acima também podem ser solicitados periodicamente para monitorar a função da tireoide e a produção de hormônios.

Os testes laboratoriais usados para ajudar a diagnosticar a doença de Graves e distingui-la de outras condições autoimunes podem incluir um ou mais testes usados para detectar a presença de anticorpos da tiróide4:

  • Imunoglobulina estimuladora da tireoide (TSI) - a presença desse anticorpo é diagnóstica para a doença de Graves.
  • Anticorpo do receptor do hormônio estimulante da tireoide (TRAb) - menos específico que o TSI
  • Anticorpo Anti-Peroxidase (anti-TPO) - este autoanticorpo é encontrado na maioria das pessoas com doença de Graves, assim como na tireoidite de Hashimoto.

 

1

2

3

4

5